MÁSCARA



(...)
Fiz de mim o que não soube
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido.
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo
E vou escrever esta história para provar que sou sublime.
(...)

Álvaro de Campos - in "Tabacaria".



:
:
:
:

:
:
:
:

Outros Miados

  • ternário - *Vêm-me à cabeça os elfos, os silfos e os gnomos. Minúsculos, invisíveis, estranhos, imaginários e aí permanecem, na minha cabeça. No início entusiasm...
    Há 3 semanas
  • INSTANTE - *INSTANTE* Sou apenas um instante, partícula residual de tempo, tatuada na memória da árvore. Passageiro breve de um volátil carrossel de...
    Há 8 meses
  • - *Há as residentes e as estivais, as de cabeça preta, garganta branca, as de barrete azul e peito laranja. O anel orbital avermelhad...
    Há 1 ano
  • - *"Se esta vida humana for usada para o bem pode ser muito poderosa. Se formos cuidadosos e procurarmos agir de forma positiva, podemos alca...
    Há 1 ano