Teia de Aranha










Teci durante a noite a teia astuciosa
Dum poema.

Armei o laço ao sol que há-de nascer.

Rede frágil de versos,

É nela que o meu sono se futura

Eterno e natural,
Embalado na própria sepultura.

Vens ou não vens agora, astro real,

Doirar os fios desta baba impura?


Miguel Torga - Coimbra, 7 de Junho de 1960 - in Diário.



:
:
:
:

:
:
:
:

Outros Miados

  • os três mantos do rei - *Veio o vento forte, quebrou as portas e as janelas, roubou dos armários as roupas e as tigelas e a chuva a zunir, alagou os tapetes, arrastou as cadei...
    Há 1 semana
  • INSTANTE - *INSTANTE* Sou apenas um instante, partícula residual de tempo, tatuada na memória da árvore. Passageiro breve de um volátil carrossel de...
    Há 10 meses
  • - *Há as residentes e as estivais, as de cabeça preta, garganta branca, as de barrete azul e peito laranja. O anel orbital avermelhad...
    Há 1 ano
  • - *"Se esta vida humana for usada para o bem pode ser muito poderosa. Se formos cuidadosos e procurarmos agir de forma positiva, podemos alca...
    Há 2 anos